Google+ Followers

Translate

follow in instagram

Instagram

domingo, 27 de novembro de 2011

Os paradoxos da globalização do mundo em que vivemos.



Os paradoxos da globalização do mundo em que vivemos.

A Terra gera alimento duas vezes mais do que seus 7.000 bilhões de pessoas necessitam para viver, apesar de que 925 milhões de pessoas estavam em uma situação de fome crônica em 2010.
Este foi indicado para Servimedia o diretor do escritório da FAO em Espanha, Henry Keep, que perguntava "como em um planeta com tal produção pode ter pessoas que passam fome."

Em sua opinião, "o livre jogo da oferta e demanda não explicam a fome no mundo", e até mesmo a seca recente e crescimento populacional são uma questão em vista dos dados.
Você a acompanhar a falta de vontade política dos Estados e da especulação nos preços dos alimentos como as principais causas do problema, como afirma no livro "a especulação financeira ea crise alimentar", disse José Maria Medina e Kattya Cascante.

Medina, diretor do Prosalus ONG e coordenador do direito "à Alimentação. Urgente ", explicou como a taxa dos preços dos alimentos da FAO se manteve constante entre 1990 e 2006, variando entre 90 e 120 pontos e uma média em torno de 100 durante todo o período.
No entanto, no final de 2007 e início de 2006, os preços começaram a subir sem parar, atingindo 213 em 2008 do índice, disse ele. Caiu novamente em 2009 mas em 2010 começou uma outra subida (até 214) e em 2011 atingiu cerca de 240 pontos, disse Medina.

O livro também destaca que o mercado de commodities de alimentos aumentou de cerca de 35.000 bilhões em 2004 para construir 350 mil milhões em 2009.
Para Medina, "o blefe da bolha imobiliária atraiu fundos de investimento para este sector, parece seguro e rentável", que em sua opinião, explica o aumento ea volatilidade dos preços dos alimentos.

Para isto é preciso acrescentar a monopolização do mercado nas mãos de poucas empresas, continuou o especialista, ea acumulação de terras, especialmente na África, onde as empresas multinacionais estão fazendo grandes extensões de terra.

Cinco empresas controlam 80% da produção e comércio de grãos, quatro 100% de sementes transgênicas, três monopolizar o mercado mundial de lácteos e três são responsáveis ​​por produção de milho no mundo, diz no livro.

Portanto, G-20 exige uma aprovação regulamentar internacional para limitar o percentual do mercado de alimentos nas mãos de um grupo de investidores, para estabelecer uma taxa contra movimentos especulativos nesta área, impor uma moratória sobre a venda de terras, e terminando prémios para os agrocombustíveis.
No entanto, no final de 2007 e início de 2006, os preços começaram a subir sem parar, atingindo 213 em 2008 do índice, disse ele. Caiu novamente em 2009 mas em 2010 começou uma outra subida (até 214) e em 2011 atingiu cerca de 240 pontos, disse Medina.

O livro também destaca que o mercado de commodities de alimentos aumentou de cerca de 35.000 bilhões em 2004 para construir 350 mil milhões em 2009.
Desgaste notou a falta de transparência neste mercado, os governos como China e Índia não informam a sua produção para ser secreto, por isso "só beneficia algumas empresas", disse ele.



Autor: Agências - Fonte: noticias.lainformacion.com

Foto: apadrino.com
Reações:

0 comentários:

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best WordPress Themes